Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH)

Garantir a liberdade e a dignidade humana é o conceito que assegura nos direitos, independente de sexo, nacionalidade, etnia, raça, idioma, religião ou qualquer outra condição.

Foi em 1945 que tratados internacionais surgiram e concederam legitimação mundial, contudo a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) foi adotada em 10 de dezembro de 1948.

Esses documentos têm a finalidade de proteger formalmente os indivíduos fragilizados e que sofrem por conseqüências sociais, políticas, entre tantas outras. A ONU (Organização das Nações Unidas do Brasil) específica algumas características mais importantes dos direitos humanos, tais como:

  • Os direitos humanos são fundados sobre o respeito pela dignidade e o valor de cada pessoa;
  • Os direitos humanos são universais, o que quer dizer que são aplicados de forma igual e sem discriminação a todas as pessoas;
  • Os direitos humanos são inalienáveis, e ninguém pode ser privado de seus direitos humanos; eles podem ser limitados em situações específicas. Por exemplo, o direito à liberdade pode ser restringido se uma pessoa é considerada culpada de um crime diante de um tribunal e com o devido processo legal;
  • Os direitos humanos são indivisíveis, inter-relacionados e interdependentes, já que é insuficiente respeitar alguns direitos humanos e outros não. Na prática, a violação de um direito vai afetar o respeito por muitos outros;
  • Todos os direitos humanos devem, portanto, ser vistos como de igual importância, sendo igualmente essencial respeitar a dignidade e o valor de cada pessoa.

Muitos países adotaram constituições que protegem a população com prerrogativas básicas, porém os seguimentos consistem também na aplicação particular regional de cada uma delas.

Em 10/12 comemoramos o Dia Universal Dos Direitos Humanos, e nós, Apoio Cotações não podíamos deixar de prestigiar esse feito grandioso e de tamanha importância para a história dos homens, pois como dizia Hannah Arendt: “A essência dos Direitos Humanos é o direito a ter direitos.”

Por uma vida digna, igualitária e mais humana é que continuamos lutando e acreditando que a unidade é a força que poderá modificar as situações mais críticas e desumanas que ainda existem em nosso planeta.


Deixe Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *